#005 criticamos – Vips (2011)


*atenção, esse texto contém spoilers

Vip´s é um filme com erros bobos, o que não o torna ruim, mas Wagner Moura compensa com seu talento de ser imprevisível!!

Vip´s conta a história de Marcelo(Wagner Moura), um garoto inconformado com a superproteção, não consegue conviver com sua identidade, e foge de casa para ser piloto de avião, mas faz isso da forma mais difícil. Fugindo de casa. Aprendeu a voar observando um piloto que transportava drogas do Paraguai para o Brasil e vice-versa. Mas ele não podia fazer isso sendo Marcelo, aquele garoto sonhador enjaulado em casa, assumiu então a alcunha de Carrera, e começam as varias faces de Marcelo se transformando em varias personalidades, desde o piloto Carrera até o filho do dono da Gol, empresa do ramo de aviação.

Quando fui assistir VIP´s no cinema, fui com a ideia fixa que eu não conseguiria desvincular a imagem do Capitão Nascimento (personagem de Wagner Moura em Tropa de Elite) do Wagner Moura, mas o que aconteceu foi exatamente o contrário. Wagner dá um show de atuação e se mostra cada vez mais versátil, sendo hoje na minha opinião, o melhor ator brasileiro da atualidade.

Ele inicia o filme como o confuso e ainda adolescente Marcelo, e nota-se desde o inicio que o jovem rapaz é esperto e oportunista, aproveitando e utilizando cada informação recebida a seu favor em suas caracterizações. Ele se usa do ambiente que o rodeia para criar a personalidade daquela pessoa, ou cria aleatoriamente, como é o caso do personagem Carrera, piloto de avião, o qual ele cria para fazer parte do grupo de traficantes, usando apenas um boné da Porshe como referencia.

Durante o filme o diretor na sua estréia comandando um filme sozinho, se sai bem de maneira geral, mas peca em cenas básicas. A cena do vôo KAMIKAZE logo no inicio do filme não nos mostra a dificuldade que aquele vôo realmente representava, sendo assim a cena fica sem graça, quando poderia ser um marco na vida do jovem piloto, quando ele cumpre com êxito uma missão que todos os pilotos experientes recusaram.

Wagner Moura como dito anteriormente, arrasa nas atuações, afinal ele vai de líder de facção criminosa a filho do dono da Gol Linhas Aéreas, se passando por traficante também.

O protagonista convence a todos ao seu redor que realmente é quem diz ser, seja na delegacia como Carrera, o lendário piloto, ou como Henrique Constantino, fazendo contatos na alta sociedade durante o carnaval em Recife.

O diretor tem sucesso em não mostrar claramente a dúvida de Marcelo quando se refere ao passado da mãe, ele camufla muito bem esse sentimento, que fica claro no final da película o motivo de todas as inseguranças de Marcelo, e do porque ele queria tanto se esconder dele mesmo se passando por outras pessoas, criando novos personagens.

Marcelo vai entrando cada vez mais nos seus personagens que chega ao ponto de se esquecer de MARCELO, sim, ele esquece de si mesmo em parte do filme, tamanho o distúrbio que ele tem. Não lembrando mais ser Marcelo, e sim ser Carrera, Henrique Constantino e Juliano.

VIP´s é mais um exemplo claro que o Brasil tem muito talento tanto na direção, quanto na produção, e que está cada vez melhor na arte de fazer cinema.

O filme é divertido, tem bom ritmo, tem diálogos inteligentes e bem elaborados, dando um clima agradável. Como disse no início, Wagner Moura carrega o filme nas costas, carrega um ótimo filme nas costas!

Assista abaixo o trailer de Vip´s:


Vips, O Filme – Teaser por vipsofilme

Nota 8,0

Diego Pitta
Cinéfilo Estagiário

#003 notas poéticas – OCEANO DE PERCEPÇÕES por Edhiene Vilhena Braga

OCEANO DE PERCEPÇÕES

Quando você pousou o seu olhar no meu,
eu vi um oceano de estrelas.

Miríades de sóis brilhavam na tapeçaria sideral.
No silêncio do seu amor,
você me disse,
em Espírito e Verdade:
“A gente se achou…”

Senti o infinito
preenchendo o finito de minhas percepções.
O Uni-Verso:
o Uno preenchendo os muitos versos do meu ser.

A plenitude do Amor
pulsando na vacuidade do meu ego.
O Grande Anônimo no meu pequeno eu.

As vagas da Sabedoria Universal
beijando secretamente as praias do meu coração.

Na serenidade do seu olhar,
eu me vi como uma pequena gota;
Você veio como uma onda;

Eu como o oceano de bem-aventurança.
Ao mesmo tempo, ecoavamos a mesma vibração,
o mesmo toque celeste em todos os seres vivos.

Desde as esferas espirituais até o âmago da Terra,
a mesma harmonia interdimensional.
Então,Você me disse,de coração a coração:
“A gota faz parte da onda, que, por sua vez, faz parte do oceano”.

E eu pequena gotinha quero viajar na sua onda…

Edhiene Vilhena Braga