#006 criticamos – Scott Pilgrim Contra O Mundo (2010)


*atenção, esse texto contém spoilersUma obra prima dos tempos modernos! Edgar Wright consegue combinar o melhor do mundo dos games “8 bits” nesse romance épico(para os nerds)!

Eu sou suspeito nessa crítica, pois não havia lido nenhum dos quadrinhos de Bryan Lee O’Malley, e quando vi o primeiro trailer fiquei totalmente extasiado ao me sentir tão respeitado como telespectador e fã de games! Isso sem contar na excelente adaptação da história do quadrinho para a grande tela! Edgar Wright que é o diretor e um dos produtores do filme, fez questão de ser o mais fiel possível aos quadrinhos, foi muito feliz ao usar elementos que fazem parte do imaginário dos “gamers” saudosistas dos anos regados a jogos 8 bits, como Pac Man entre outros.

O filme conta a história de Scott Pilgrim (Michael Cera), um jovem de 22 anos, desempregado, que vive de favor na casa de seu amigo gay Wallace (Kieran Culkin) começa a namorar uma garota colegial, a jovem Knives Chau (Ellen Wong). Scott tem uma banda de rock chamada Sex Bob Omb, e ainda não conheceu trabalho na vida. Assim logo de cara muitos jovens se identificam de cara com o personagem. Porém logo no inicio percebe-se que Scott Pilgrim espera algo mais, e algo mais que a jovem e ingênua Knives não pode dar, pois a pequena está vivendo outra fase na vida.

A banda de Scott é formada por Kim (Alison Pill) na baterias, Stephen Stills “O Talento” (Mark Webber) no violão com distorção, Scott Pilgrim no contra baixo e o “Young Neil” (Johnny Simmons) como substituto no baixo quando Pilgrim não está!

Aos poucos Scott vai se cansando do relacionamento de faz de conta com Knives, e sonha com uma misteriosa garota de cabelo roxo que fala com ele durante a noite. A partir daí seu mundo vira de cabeça pra baixo.

Durante uma das atividades “escolares” de Knives, Scott vai à biblioteca da cidade de Toronto, no Canadá, e por capricho do destino encontra a garota do cabelo roxo (até o momento não se sabe o nome dela) entregando um pacote na recepção, aumentando ainda mais a curiosidade do rapaz.

Mais tarde Scott e sua banda vão a uma festa dada pela ex-namorada de Stephen, Julie (Aubrey Plaza), local onde o protagonista encontra finalmente encontra a garota do sonho e da biblioteca, Ramona Flowers(Mary Elizabeth Winstead). Só que durante a abordagem ele tenta usar os mesmo assuntos que usou com Knives, mas percebeu que Ramona é bem diferente, e não é tão inocente como a jovem chinesa. Após a mal sucedida investida, Scott pesquisa com todos os convidados até descobrir que é, e o que faz Ramona em Toronto.

Ao descobrir que Ramona trabalha para a Amazon canadense (site compras pela internet), Scott bola um plano “brilhante” para conseguir contato com a tão sonhada garota, faz uma compra na Amazon, e adivinha quem foi entregar a encomenda?!

O filme basicamente começa aí, onde Scott descobre que Ramona é a garota que ele deseja. E começam aí também, os problemas de Scott com a Liga do Ex-Namorados Malvados da Ramona e sua luta para enfrentar a todos para conseguir ficar com ela.

O principal acerto do filme é mostrar assim como nos quadrinhos, cada ex-namorado com um level de dificuldade na vida de Scott, e a cada Ex-Namorado derrota, maior a recompensa, assim como maior será a dificuldade no próximo level. O filme passa mensagens beneficas para quem assiste, afinal em algumas batalhas Scott não usa a força para derrotar seus inimigos, e sim a sua inteligência. Por isso crianças, não briguem, estudem. E joguem video games.

Isso tudo e a forma como Edgar Wright conduz as cenas fazem de Scott Pilgrim uma inovação na forma de se fazer cinema, e mostra que é possível se fazer uma adaptação fiel aos quadrinhos.

Michael Cera faz aqui seu melhor trabalho, mesmo porque ele e o personagem na vida real são bem parecidos, Mary Elizabeth Winstead traz uma Ramona mais sobria do que a dos quadrinhos, dando mais sensualidade a personagem, Mark Webber estaá fantastico como Stephen com suas crises de ansiedade e insegurança.

As lutas do filme são bem coreografadas e tem um ritmo alucinante. Vale ressaltar a batalha de Scott Pilgrim com o 3º Ex-Namorado de Ramona, Todd (Brandon Routh, o cara que fez o pior Super-Man da historia). Durante a batalhe existe um duelo de contra-baixo, bem no estilo Guitar Hero, muito bem montada essa cena.

Deixei pro final o comentario sobre a participação de Kieran Culkin, que faz Wallace, o melhor amigo de Scott. Esse personagem foi muito bem aproveitado, e mostra que a familia Culkin (ele é irmão Macaulay Culkin de Esqueceram de Mim) ainda tem muito o que dar pro mundo do cinema.

Se você tiver de 12 a 30 anos, é bem provável que você goste muito desse filme, se você for mais velho, deixe de lado o preconceito e assista, pois Scott Pilgrim é diversão para todas as idades e usa da melhor tecnologia para entreter, o conteúdo de qualidade. Visualmente perfeito e muito divertido, tenho certeza que estamos diante de um marco nas adapatções de quadrinhos.

Nota 10/10

Veja o trailer abaixo:

SCOTT PILGRIM VS. THE WORLD – Trailer PT por dmagianet

Diego Pitta
Cinéfilo Estagiário

#005 notas poéticas – MEU SONHO ACORDADO por Cleonir José

Este poema foi escrito há muito tempo atrás, e eu ganhei esses e outros versos há aproximadamente dois anos. Nota-se que apesar do pouco estudo (o mesmo estudou somente até o 4º ano primário) o autor destes belos versos dominava as palavras com uma habilidade única. Publicarei aqui nos Culturamos outros textos do mesmo autor, deixando clara a minha admiração pelo mesmo.

“Diego Pitta”

Meu Sonho Acordado

Ontem eu senti um estremecimento
Quando olhei meus olhos nos teus,
Senti tua imagem por um momento
Indo de encontro aos sonhos meus.
Naquele momento vivi o mormaço
Do calor do teu corpo desnudo,
E em teus cabelos me embaraço
E por uns instantes fico mudo…

De repente meu sonho de amor,
Chega ao fim e eu fico sozinho,
Sem amor, sem carinho e a dor
Por ter escolhido esse caminho
Que me pareceu coberto de flores
Sem espinhos e demais perfumado
E por fim desamor e dissabores
Ponto final d’um sonho acordado.

Agora que meu sonho está desfeito
E a ferida em meu peito não cicatriza,
Consertar é impossível, não tem jeito
Este amor alucinante que me escraviza.
Me consome todo dia e me deixa louco
Causando-me estranhas alucinações,
De que aos poucos morro pouco a pouco
Perdidamente apaixonado em tuas mãos…

Cleonir José – poema de 20/06/1978

#004 notas poéticas – SOLIDÃO por Edhiene Pereira de Vilhena Braga

Solidão…

Ao olhar para as estrelas
me sinto carregada pelo vento
o verde das folhas
o brilho das rosas.

sinto você por perto
e ao mesmo tempo
sinto que esta tão distante,
não sabe como agir.

não sei o que pensar,
o meu coração pulsa
descompassado
e as palavras
se confundem
no meu interior.

Eu poderia chorar,
gostaria mesmo é de gritar,
mas acabei escrevendo,
mesmo que não me entenda,
dizer palavras alegres
mesmo que não me ouça.

E o que resta
é consolar-me com as estrelas
que reluzem pelo céu
e com as lágrimas
que cortam minha face como lâminas.
Tento fugir do passado,
tento imaginar você
somente como mais um sonho
de uma noite gelada de inverno…

Edhiene Pereira de Vilhena Braga.

#005 criticamos – Vips (2011)


*atenção, esse texto contém spoilers

Vip´s é um filme com erros bobos, o que não o torna ruim, mas Wagner Moura compensa com seu talento de ser imprevisível!!

Vip´s conta a história de Marcelo(Wagner Moura), um garoto inconformado com a superproteção, não consegue conviver com sua identidade, e foge de casa para ser piloto de avião, mas faz isso da forma mais difícil. Fugindo de casa. Aprendeu a voar observando um piloto que transportava drogas do Paraguai para o Brasil e vice-versa. Mas ele não podia fazer isso sendo Marcelo, aquele garoto sonhador enjaulado em casa, assumiu então a alcunha de Carrera, e começam as varias faces de Marcelo se transformando em varias personalidades, desde o piloto Carrera até o filho do dono da Gol, empresa do ramo de aviação.

Quando fui assistir VIP´s no cinema, fui com a ideia fixa que eu não conseguiria desvincular a imagem do Capitão Nascimento (personagem de Wagner Moura em Tropa de Elite) do Wagner Moura, mas o que aconteceu foi exatamente o contrário. Wagner dá um show de atuação e se mostra cada vez mais versátil, sendo hoje na minha opinião, o melhor ator brasileiro da atualidade.

Ele inicia o filme como o confuso e ainda adolescente Marcelo, e nota-se desde o inicio que o jovem rapaz é esperto e oportunista, aproveitando e utilizando cada informação recebida a seu favor em suas caracterizações. Ele se usa do ambiente que o rodeia para criar a personalidade daquela pessoa, ou cria aleatoriamente, como é o caso do personagem Carrera, piloto de avião, o qual ele cria para fazer parte do grupo de traficantes, usando apenas um boné da Porshe como referencia.

Durante o filme o diretor na sua estréia comandando um filme sozinho, se sai bem de maneira geral, mas peca em cenas básicas. A cena do vôo KAMIKAZE logo no inicio do filme não nos mostra a dificuldade que aquele vôo realmente representava, sendo assim a cena fica sem graça, quando poderia ser um marco na vida do jovem piloto, quando ele cumpre com êxito uma missão que todos os pilotos experientes recusaram.

Wagner Moura como dito anteriormente, arrasa nas atuações, afinal ele vai de líder de facção criminosa a filho do dono da Gol Linhas Aéreas, se passando por traficante também.

O protagonista convence a todos ao seu redor que realmente é quem diz ser, seja na delegacia como Carrera, o lendário piloto, ou como Henrique Constantino, fazendo contatos na alta sociedade durante o carnaval em Recife.

O diretor tem sucesso em não mostrar claramente a dúvida de Marcelo quando se refere ao passado da mãe, ele camufla muito bem esse sentimento, que fica claro no final da película o motivo de todas as inseguranças de Marcelo, e do porque ele queria tanto se esconder dele mesmo se passando por outras pessoas, criando novos personagens.

Marcelo vai entrando cada vez mais nos seus personagens que chega ao ponto de se esquecer de MARCELO, sim, ele esquece de si mesmo em parte do filme, tamanho o distúrbio que ele tem. Não lembrando mais ser Marcelo, e sim ser Carrera, Henrique Constantino e Juliano.

VIP´s é mais um exemplo claro que o Brasil tem muito talento tanto na direção, quanto na produção, e que está cada vez melhor na arte de fazer cinema.

O filme é divertido, tem bom ritmo, tem diálogos inteligentes e bem elaborados, dando um clima agradável. Como disse no início, Wagner Moura carrega o filme nas costas, carrega um ótimo filme nas costas!

Assista abaixo o trailer de Vip´s:


Vips, O Filme – Teaser por vipsofilme

Nota 8,0

Diego Pitta
Cinéfilo Estagiário

#003 notas poéticas – OCEANO DE PERCEPÇÕES por Edhiene Vilhena Braga

OCEANO DE PERCEPÇÕES

Quando você pousou o seu olhar no meu,
eu vi um oceano de estrelas.

Miríades de sóis brilhavam na tapeçaria sideral.
No silêncio do seu amor,
você me disse,
em Espírito e Verdade:
“A gente se achou…”

Senti o infinito
preenchendo o finito de minhas percepções.
O Uni-Verso:
o Uno preenchendo os muitos versos do meu ser.

A plenitude do Amor
pulsando na vacuidade do meu ego.
O Grande Anônimo no meu pequeno eu.

As vagas da Sabedoria Universal
beijando secretamente as praias do meu coração.

Na serenidade do seu olhar,
eu me vi como uma pequena gota;
Você veio como uma onda;

Eu como o oceano de bem-aventurança.
Ao mesmo tempo, ecoavamos a mesma vibração,
o mesmo toque celeste em todos os seres vivos.

Desde as esferas espirituais até o âmago da Terra,
a mesma harmonia interdimensional.
Então,Você me disse,de coração a coração:
“A gota faz parte da onda, que, por sua vez, faz parte do oceano”.

E eu pequena gotinha quero viajar na sua onda…

Edhiene Vilhena Braga

#002 notas poéticas – DOR por Ruth Borges

Dor…

Por que tu não me deixas em paz?
Por que insiste em despedaçar meu peito?
Por que, Dor?
O que te fiz de tão ruim para querer me destruir?

Por que me acertas com tanta aspereza
Por que não me dá opção?
Por que, Dor?
Por que não me deixaste livre?

Por que não desiste de voar pelos
Céus de minha imaginação…
Por que, maldita Dor,
Sapateias no plano da minha fragilidade?

Por que, por que, por que,
Toda noite vem roubar meu sono?
E do passado me fazer lembrar?
Por que me açoitas com tanta crueldade?
Por que não me deixas caminhar?

Por que descalçaste os pés da minha esperança?
Por que me despiste em meio ao frio e a escuridão?
Por que me deixaste sozinha ao relento,
Por que roubaste-me o coração?

Ruth